Home

Artigos

DVE – Você sabe o que significa?

Data: 24/11/2020

DVE – Você sabe o que significa?

DVE tecnicamente chamada ou Derivação Ventricular Externa é o procedimento cirúrgico em que o Neurocirurgião faz uma pequena crâniotomia para ter acesso ao cérebro e tratar pacientes com distúrbios da circulação liquórica, pois a maioria desses pacientes apresenta hemorragia subaracnóidea ou intraparemquematosa.

 

Porque usar DVE?

O Neurocirurgião opta por utilizar uma DVE para evitar danos cerebrais maiores devidos á pressão exercida quando esse líquido que se chama líquor sai do seu local inicial (entre o cérebro e a meninge que o envolve chamada Pia-máter), fazendo assim com que a pressão intracraniana aumente. 

 

Como é o Procedimento?

O procedimento é realizado em centro cirúrgico com o paciente devidamente anestesiado, e com todos os cuidados, pois se trata de um procedimento invasivo. O cirurgião realiza a pequena crâniotomia com a broca de auto parada (broca que realiza o furo na calota craniana, mas quando acaba o osso, ela para automaticamente para não lesar as meninges internas), assim tendo a visão necessária para a introdução do cateter da DVE o cirurgião o faz.

Após a inserção desse cateter, ele é conectado á um sistema de drenagem externa, para que o excesso de líquor seja drenado, fazendo assim a regularização do balanço de líquido e a possível reparação ao dano.

 

A colocação do cateter, ocorre geralmente no ponto de Kocher, localizado de 2 a 3 cm da linha média ou linha mediopupilar – evitando o seio sagital – e a 1 cm anterior à sutura coronal – evitando a faixa motora. Após a colocação do cateter, o paciente geralmente fica internado durante o período de sua utilização, que varia em média 10 a 16 dias. Estudos descritos por Larsen relatam um período médio de permanência do cateter ventricular de 9,5 dias, com tempo máximo de 29 dias e de 16 dias, com um período máximo de 44 dias, lembrando sempre que existe uma equipe multidisciplinar o acompanhando durante todo esse processo, e sua alta hospitalar é sempre muito bem avaliada de acordo com o quadro clínico.

 

Paulo Meneguzzi

Consultor Técnico